No Ar
Escute a Rádio Ao Vivo
49 3443 6190
Curta nossa páginaFacebook

PF prende duas pessoas em operação contra fraudes na Previdência

CompartilheCompartilhe no FacebookImprimir

15/05/2019 – QUARTA-FEIRA

 

Duas pessoas foram presas, na manhã desta terça-feira (14), em uma operação da Polícia Federal (PF) que investigou uma organização criminosa especializada em fraudar aposentadorias por idade, por tempo de contribuição e pensões por morte. Segundo a PF, eles eram agenciadores de aposentadoria.

 

O prejuízo causado pelo grupo é calculado em R$ 3,7 milhões, com o pagamento de 52 benefícios obtidos de forma fraudulenta. A operação, chamada de Octopus, foi feita em conjunto com a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

 

Além dos mandados de prisão, foram cumpridos 17 de busca e apreensão em Curitiba, Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), e Pontal do Paraná, no litoral do Paraná. Além de Jaraguá do Sul (SC), Erechim (RS) e Marcelino Ramos (RS).

 

De acordo com a Polícia Federal, as investigações começaram em 2017 a partir de notícias recebidas pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

 

Durante a investigação, foi identificado que a organização criminosa atuava pelo menos desde 2013, e era chefiada por um agenciador de aposentadorias, reincidente em crimes contra a Previdência.

 

Segundo a polícia, há indícios de que o esquema criminoso conte com a participação de dois servidores do INSS, três contadores, dois advogados e outros intermediários de benefícios previdenciários.

 

Conforme as investigações, foram cerca de 800 vínculos empregatícios falsos para mais de 500 trabalhadores. Ainda de acordo com a polícia, esses vínculos fraudulentos inseridos nos sistemas do INSS incluíam tempos de serviço de até 15 anos.

 

O grupo ainda é investigado pela criação de vínculos falsos para os próprios familiares, de primeiro e segundo graus.

 

O INSS deve rever as aposentadorias identificadas pelo esquema criminoso.

 

 

PUNIÇÕES

 

Foi determinado o sequestro de bens e bloqueio de contas bancárias dos suspeitos. Além disso, a Justiça mandou afastar os servidores do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) de cargos de chefias e das atividades de concessão de benefícios previdenciários.

 

Os presos podem responder pelos crimes de associação criminosa, estelionato majorado e inserção de dados falsos em sistemas corporativos do Governo Federal.

 

Por Keli Camiloti

Informações G1 – Foto: Ana Zimmerman

Enviar por e-mail