No Ar
Tarde Esportiva Musical
Escute a Rádio Ao Vivo
49 3443 6190
Curta nossa páginaFacebook

China amplia compra de carne suína catarinense

CompartilheCompartilhe no FacebookImprimir

12/02/2018 – SEGUNDA-FEIRA

 

A China se consolida como principal mercado para carne suína catarinense. Em janeiro, o estado faturou US$ 20 milhões com as vendas para o mercado chinês – mais do que o dobro da receita em dezembro de 2017. No último mês foram embarcadas 9,7 mil toneladas de carne suína com destino ao país asiático – 110,5% a mais do que em dezembro. A ampliação das vendas para a China acabou contribuindo para que Santa Catarina entrasse em 2018 com saldo positivo nas exportações de carne suína.

 

Em janeiro, o estado embarcou 25 mil toneladas do produto, 10,2% a mais do que no último mês de 2017. O faturamento com as vendas internacionais também teve alta de 4,2% e fechou em US$51,3 milhões.

 

Em comparação com janeiro de 2017, os embarques de carne suína tiveram uma pequena queda tanto na quantidade (-1,7%) quanto no faturamento (-6,7%). O que pode ser explicado pela suspensão das vendas para Rússia, maior comprador da carne suína catarinense no último ano (102 mil toneladas).

 

Com a saída temporária da Rússia, a China passou a ser o maior mercado para a carne suína produzida no estado. Em relação ao primeiro mês de 2017, as vendas para o mercado chinês foram 69,6% maiores em janeiro e o faturamento aumentou em 71,9%.

 

Santa Catarina segue como o maior produtor e exportador de carne suína do país. O estado foi responsável por 46,9% de toda carne suína vendida pelo Brasil em janeiro.

 

Segundo o secretário de Estado da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, o agronegócio vem conquistando cada vez mais espaço na pauta de exportações catarinenses, resultado da qualidade e da sanidade dos rebanhos. “O agronegócio faturou US$ 5,5 bilhões com as exportações em 2017, isso foi 65% do total exportado pelo estado. É um desempenho incrível. As carnes produzidas em Santa Catarina têm um grande diferencial que é a sanidade dos nossos rebanhos e isso nos dá acesso aos mercados mais exigentes do mundo. Nosso desafio é manter esse status sanitário diferenciado e ampliar nossas vendas ao exterior”.

 

Os principais mercados para carne suína catarinense nesse início de ano foram China, Hong Kong, Chile e Argentina.

 

Fonte: ACCS / www.clubesd.com.br / Keli Camiloti

Enviar por e-mail