No Ar
Programação Musical 1190
Escute a Rádio Ao Vivo
49 3443 6190
Curta nossa páginaFacebook

Ápice da chuva de meteoros em SC será na madrugada de quinta-feira

CompartilheCompartilhe no FacebookImprimir

13/12/2017 – QUARTA-FEIRA

 

Uma chuva de meteoros já está acontecendo no céu do Hemisfério Sul, mas o ápice do fenômeno será na madrugada de quarta para quinta-feira (14), mais precisamente entre 1h e 2h. O evento poderá ser acompanhado a olho nu e, conforme o meteorologista da NSC Leandro Puchalski, haverá clima favorável para a observação em Santa Catarina.

 

— As condições são favoráveis em praticamente todo o Estado, principalmente no Oeste. No Litoral Norte e no Vale do Itajaí, em função da umidade do mar, é difícil termos uma madrugada inteira sem nuvens, mas a previsão é de tempo seco.

 

 

COMO OBSERVAR OS METEOROS?

 

Também conhecido como estrelas cadentes, o fenômeno astronômico começou no dia 4 e seguirá até 16 de dezembro.  Para acompanhar, o mais importante é estar em um lugar com pouca ou nenhuma iluminação artificial. Praias, sítios, campos, mirantes de morros ou em alto mar. É recomendável levar toalha ou cadeira reclinável e ficar deitado para observar os meteoros. Assim não força o pescoço. Seguindo esses passos, é só contar que o céu esteja limpo, sem nuvens.

 

O professor de Física Marcelo Girardi Schappo, coordenador do projeto de Observações Astronômicas e Tópicos de Física Moderna do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC), explica que, em alguns períodos do ano, a Terra passa por regiões que coincidem com órbitas de cometas e asteróides. Essas órbitas são sujas, repletas de detritos que se soltam do astro principal e pegam fogo ao entrarem na atmosfera terrestre.

 

— A interação dessas rochas em alta velocidade e em atrito com a nossa atmosfera faz com que a rocha incinere e forme aquele traço brilhante. É o que forma a chuva de meteoro. O meteoro não é a rocha, mas o efeito atmosférico.

 

Segundo o professor, nos próximos dias ocorrerá uma das maiores chuvas de meteoros do ano, as Geminídeas, por virem da constelação de Gêmeos. A taxa de visualização dela pode chegar a mais de 100 meteoros por hora. Por isso, pesquisadores do projeto Astro&Física do IFSC irão observar o fenômeno na praia do Novo Campeche, em um evento aberto ao público. No entanto, qualquer pessoa pode ver as estrelas cadentes desde que siga as orientações de Girardi.

 

Fonte: Diário Catarinense / Foto: Nasa / www.clubesd.com.br / Keli Camiloti

Enviar por e-mail