No Ar
Escute a Rádio Ao Vivo
49 3443 6190
Curta nossa páginaFacebook

Polícia Federal faz operação por suspeita de irregularidades em clínica de Chapecó

CompartilheCompartilhe no FacebookImprimir

09/02/2017 – QUINTA-FEIRA

 

Policiais federais realizaram na manhã desta quinta-feira a 2ª fase da Operação Manobra de Osler, que investiga pagamentos por exames e procedimentos desnecessários ou que sequer teriam sido realizados em uma clínica de Chapecó, no Oeste Catarinense, e outras duas de Pato Branco, no sudoeste do Paraná. Cinco mandados de busca e apreensão estão sendo cumpridos. Também são alvos da operação as residências de administradores das empresas, em Chapecó e Curitiba. Segundo o Ministério Público, o volume de recursos destinados a apenas uma dessas clínicas foi de quase R$ 3 milhões em 2016.

 

As medidas foram autorizadas pela Justiça Federal, atendendo pedido do Ministério Público Federal. A decisão da 1ª Vara Federal de Chapecó aponta a existência de indícios dos crimes de peculato, dispensa indevida de licitação, falsidade ideológica e associação criminosa.

 

Essa nova etapa da operação decorre do aprofundamento das investigações, iniciadas em 2015, a partir da análise dos elementos colhidos nas buscas e apreensões realizadas em novembro de 2016 na Secretaria Municipal de Saúde, numa clínica de medicina hiperbárica, no Consórcio Intermunicipal de Saúde de Chapecó (CIS-AMOSC) e na residência e empresas dos envolvidos.

 

Na ocasião, foi determinada a suspensão cautelar do exercício de qualquer função pública pela ex-secretária de saúde de Chapecó Cleidenara Weirich (PSD), que foi a vereadora eleita mais votada da cidade em outubro e está impedida de assumir. A mesma sentença foi dada ao então diretor executivo do CIS-AMOSC.

 

Fonte: Diário Catarinense / Foto: Rafael Juncks / www.clubesd.com.br / Keli Camiloti

Enviar por e-mail